CRIAÇÃO DE ESCARGOT

Introdução

FICHA TÉCNICA
Setor: Agroindústria.
Tipo de Negócio: Helicicultura
Ramo de Atividade: Criação de Escargots.

HISTÓRICO. Descobertas arqueológicas comprovam que desde a pré-história o homem utiliza o escargot para a sua alimentação. Nas proximidades das cavernas do homem pré-histórico, arqueólogos encontraram depósitos de conchas de 10 a 200 metros de comprimento com 1 a 1,5 metro de altura, indicação de que os escargots eram largamente consumidos.

APRESENTAÇÃO. Trazido por imigrantes europeus, o escargot começou a ser criado no Brasil há 25 anos e hoje a atividade começa a tornar-se um bom negócio. Em francês, escargot significa caracol, molusco, porque seu corpo é mole, sem esqueleto, gastrópode (parte estomacal (gaster-estômago) junto ao pé (podes = pé)), pulmonado (respira através do pulmão), terrestre, ao contrário de seu primo caramujo que habita as águas doces ou salgadas.
Pertence ao gênero Helix (de onde vêm hélice), porque seu corpo faz uma torsão de 180º e por isso, a criação é denominada helicicultura.

A HELICICULTURA. É a denominação que se dá a quem cria escargots e helicicultor, a pessoa que o cria. Não há grandes dificuldades em seu manejo, mas o trabalho é grande, exige dedicação e constante observação por parte do produtor. A criação de escargots configura-se como uma alternativa interessante na medida em que é possível integrar manejo com atividades como horta e minhocário. Nesses casos, os subprodutos são aproveitados e o resultado dessa integração é redução de custos e oferta de produtos saudáveis.

MERCADO. É pouco explorado e de abastecimento instável, demonstrando a necessidade de modernização do setor e de melhor divulgação, apesar disso, com um pouco mais de 15 anos no mercado brasileiro, esse molusco tem conquistado adeptos por exigir pouca área para cultivo e baixo investimento.
Basta um rápido folhear nos suplementos agrícolas dos jornais e nas revistas da área agroveterinária, e lá estarão os “escargots”, eles freqüentam também programas de TV destinados aos produtores rurais, e até mesmo laboratórios de algumas instituições universitárias, empenhadas na busca de novas fontes de proteína para a alimentação humana. Enfim, os “escargots” parecem reunir o esforço de muitos, visando a difusão do cultivo e consumo dessa especialidade da cozinha francesa. O esforço é louvável, sobretudo se considerarmos que o grande crescimento da população mundial impõe uma demanda crescente por alimentos, que não pode ficar restrita às formas tradicionais.

COMÉRCIO. Com o objetivo de viabilizar a comercialização, estabeleceram-se núcleos de criadores ligados a uma empresa ou cooperativa incumbida de processar e vender o produto. Esta tem sido a solução ideal - principalmente para o problema da comercialização -, já que o processamento da carne para a venda não oferece grande dificuldade. A carne, comercializada de várias formas, e é vendida para restaurantes, supermercados, delicatessens. Pesqueiros também são clientes, pois absorvem a produção dos animais que não atingiram peso ideal para abate.
Em condições ideais de comercialização, os escargots são oferecidos em conserva, com as conchas separadas (onde a carne é servida). Este padrão é adotado por alguns produtores nacionais, mas existem outras formas de apresentação da carne do escargot, que pode ser congelada, em conserva, com molhos especiais, dentre outros.

ESTRUTURA. É comum o aproveitamento de espaços utilizados anteriormente para outros fins (no mínimo vinte metros quadrados) como garagens, paióis, cocheiras, pocilgas, etc.
A área mínima para criação varia de 20 m² a 60 m². Deve possuir água potável (sem cloro) em abundância para suprir todo o heliário, estar longe de poluição e protegido contra ventos. A existência de matas nas imediações da cultura é fator de grande importância porque acumulam umidade e servem como "quebra-vento".

INVESTIMENTOS. Calcula-se em alguma coisa como R$ 20 por m2, com um investimento inicial de R$ 400 é possível adquirir três caixas para a criação (60 reprodutores), além de sobrar uma verba para um curso, segundo profissionais do ramo.

EQUIPAMENTOS. Os equipamentos básicos são:
- Termômetros;
- Higrômetro (aparelho que mede a umidade do ar);
- Espátula de ferro;
- Escova (de roupa), esponja;
- Pulverizador de água, etc.

MÃO-DE-OBRA. Irá variar de acordo com a estrutura do emprendimento.

CARACTERÍSTICAS. Classificado como pescado pelo Ministério da Agricultura, o escargot é molusco hermafrodita incompleto (animal que possui dois sexos mas incapazes de autofecundar-se), havendo por isto necessidade da cópula entre dois animais para que um fecunde ao outro. Fatores como alimentação, precocidade e temperatura influenciam diretamente no tempo em que o animal pode levar para crescer e reproduzir.

ESPÉCIES. Existem mais de 4.000 espécies de caracóis comestíveis em todo o mundo, mas as principais são:
- Helix aspersa maxima OU GROS GRIS: Muito prolífero e com ótima aceitação no mercado externo e interno. É indicado para criação em regiões com climas temperados e frios. Seu peso adulto para abate é ao redor de 15 gramas.
- Achatina fulica OU ESCARGOT CHINÊS: É o maior escargot comercializado conhecido. Quando adulto, pode pesar mais de 200 gramas. Sua concha é de cor marrom com ranhuras transversais muito escuras. Pode medir até 15 cm do vértice à base. É uma espécie das mais prolíferas, botando mais de 200 ovos em cada postura. Para consumo são comercializados os filhotes na faixa de 15 a 20 gramas. Desenvolve-se muito bem em regiões de clima quente.
- Helix aspersa OU PETIT GRIS: É um escargot de pequeno porte. 0 diâmetro da concha pode variar de 18 a 30 mm e a altura de 20 a 30 mm. Sua forma oval e cor cinza rajada com faixas creme, contrasta com o corpo escuro tendendo para o preto. Peso médio de 7 gramas.
- Helix pomatia OU ESCARGOT DE BOURGOGNE: É o maior escargot europeu. O diâmetro da concha pode variar de 30 a 55 mm e a altura de 30 a 50 mm. A cor da concha varia em função da região de procedência, apresentando diversas nuanças do ruivo até o marrom escuro, com ranhuras transversais. Peso médio ao redor de 22 gramas. Tem ciclo mais longo que o Gros Gris e o Escargot Turco.
- Helix lucorum OU ESCARGOT TURCO: É muito parecido com o Escargot de Bourgogne. Apresenta uma concha com espirais marrons e mechas castanho escuro o que o diferencia do Bourgogne que apresenta as mesmas características com nuanças mais claras. Peso médio de 20 gramas.
No Brasil são criadas duas espécies de escargot: Gros gris e Achatina fulica.

HÁBITOS. Escargots comem durante toda a noite folhas de couve, repolho, brócolis e alface, etc, intercaladas com ração à base de fubá e soja. Hibernam quando a temperatura desce abaixo de 10ºC , alcançando um sono que pode durar até 6 meses. No Brasil, até mesmo nas regiões mais frias, os animais hibernam de 20 a 60 dias e entram em estivação com o calor excessivo. Conclusão: com muito frio ele dorme, com muito calor se esconde. Nos dois casos quem sai perdendo é o produtor.

INICIANDO A CRIAÇÃO. Deve-se levar em consideração:
- Matrizes. É aconselhável que o iniciante comece com o número máximo de 60 matrizes, plantel que viabilizará(com muita observação)o domínio do manejo e acompanhamento do desenvolvimento dos filhotes;
- Ambiente. As condições variam de acordo com a espécie, no caso da variedade "Gros-gris" são as seguintes:
- Clima. Decisivo para o sucesso. Regiões de clima ameno são as mais indicadas. A temperatura ideal para os escargots oscila entre 16ºC e 24ºC. Altas temperaturas provocam desidratação, e as muito baixas diminuição das funções orgânicas, resultando em atraso no crescimento e na eclosão dos ovos, podendo ainda fazer com que os escargots entrem em sono hibernal.
– Umidade. Fator de grande importância para a vida dos escargots que em função da permeabilidade do seu corpo, desidratam com muita facilidade e rapidez, podendo levá-los à morte. O grau de umidade relativa do ar deve ser acima de 80%, sendo o ideal 86%. Assim, como é preciso garantir a alta umidade do local, heliários costumam ter aspersores de água que mantêm o piso sempre úmido.
- Manejo.
- Diariamente. Observar o plantel; Retirar os animais mortos ou doentes; Trocar a água e a ração dos filhotes (dias alternados); Trocar a água e a ração das matrizes (2 em e dias); Pulverizar com água as instalações, caso o clima estija muito quente ou seco; Retirar os potes de postura; Observar as chocadeiras; Limpar as caixas e fazer as anotações necessárias (posturas, mortes, nascimento e observações).
- Semanalmente. Limpar rigorosamente as instalações, comedouros e bebedouros; Observar a aplicação dos medicamentos preventivos e o estoque de ração.
- Mensalmente. Verificar percentuais de postura, mortalidade, nascimento; Selecionar os animais jovens, as novas matrizes e os animais para a venda mensal.

REPRODUÇÃO. Deve-se separar para reprodução apenas animais que:
- Apresentem tamanho padrão da espécie ou variedade;
- Sejam sadios;
- Atingiram rapidamente o tamanho adulto;
- Tenham concha e corpo perfeitos, sem fraturas ou calombos;
- Estejam maduros sexualmente (nem novos nem velhos);
- Não apresentem nenhum corrimento ou secreção anormais;
- Tenham sido adquiridos de criadores idôneos, selecionados e em boas condições.
Boas condições ambientais estimulam o acasalamento. É bom lembrar que em um heliário bem conduzido os animais se acasalam naturalmente.
O Ritual de Acasalamento. O Ritual de namoro leva de 20 a 30 minutos, seguido da fase de acoplamento com uma duração de 10 a 12 horas, no mínimo, quando os animais se encontram, se esfregam, se acariciam e então, cada um apresenta o seu "dardo" (espécie de esporão feito de substância calcária utilizado para espetar e excitar sexualmente o parceiro). Aí então, os dois escargots se juntam e fazem com que a parte direita de seus corpos se toquem e seus órgãos genitais se encostem. É neste momento que cada um lança o seu “pênis” para que penetre na “vagina” do parceiro. A postura é realizada de 10 a 30 dias após o acasalamento. A incubação geralmente dura de 12 a 30 dias e é diretamente influenciada pela temperatura e umidade do ambiente. A partir do 12º dia após a postura acontece o nascimento. Os pequenos escargots ficam no ninho por mais 10 a 12 dias e se alimentam da casca do ovo. São translúcidos e medem de 3 a 4 mm. Após a eclosão, os filhotes sobem para a tampa da chocadeira (a chocadeira pode ser o pote de postura com tampa ou uma caixa, onde serão colocados vários destes potes). Este comportamento indica que é o momento de serem retirados, com o auxílio de uma colher e transferidos para as instalações da 1ª fase onde deverão receber, logo, alimentação e água;
A Postura. Nesta etapa o escargot cava, com a parte anterior do pé, um buraco de 3 a 4 cm de profundidade, alargado e formando uma câmara. Começa, então, a postura de 80 a 120 ovos que poderá levar de 20 a 40 horas para ser concluída. Terminada a postura, o escargot se recolhe à sua concha e descansa por cerca de 30 minutos. Após isso, tampa a entrada do ninho com terra e dejetos, vigia por algum tempo e depois abandona o local.
Sugere-se colocar potes, copos de plástico ou de vidro, cheios de terra (mistura de 50% de terra argilosa com 50% de areia de rio lavada), são colocados à disposição dos reprodutores para que façam a postura dentro deles.

DOENÇAS. Representam um perigo real já que em curto período de tempo podem aniquilar totalmente um plantel. O melhor que o criador tem a fazer é preveni-las seguindo atentamente as orientações para manejo. As doenças mais comuns são:
- Coccidiose: É responsável pelos maiores índices de mortalidade. Trata-se de protozoários (microorganismos) que atacam, principalmente, o fígado dos escargots. Não têm sintomas, os animais aparecem mortos. Para prevenir a doença utiliza-se o NF-180, medicamento utilizado comumente no tratamento de animais domésticos atacados pelo mesmo mal.
- Endoparasitos: Vermes intestinais que prejudicam o crescimento e são os principais responsáveis pela
mortalidade de filhotes.
- Ectoparasitos: São ácaros, uma das pragas mais incômodas aos caracóis. Sua presença pode ser detectada visualmente. Os ácaros se instalam na cavidade pulmonar dos escargots, através do pneumostoma. Sugam-lhe o sangue, podendo
causar pneumonia e até a morte dos animais.
- Pseudomonose: É produzida por uma bactéria que ataca o intestino e depois o sangue. Sua principal característica é a presença de um líquido azulado em volta do corpo do animal doente.
- Doença da Postura Rosa: é causada por um micro fungo que faz "gorar" os ovos. As posturas atacadas apresentam a cor rosa avermelhada e ficam deformadas. Os sintomas provocados pelas doenças são muito parecidos, o que dificulta enormemente a sua identificação. São eles: fraqueza, diminuição dos movimentos, problemas na alimentação, postura, acasalamento e até mesmo a morte dos animais.
- Angiostrongilíase: É uma parasitose, causada por vermes do gênero Angiostrongylus, da classe Nematoda. O caramujo gigante Achatina fulica é o principal transmissor do verme designado Angiostrongylus cantonensis, comum no pulmão de ratos e capaz de causar, no homem, uma meningoencefalite eosinofílica, doença que acomete o sistema nervoso central. Embora sejam conhecidos alguns casos fatais dessa angiostrongilíase, a doença geralmente evolui benignamente para a cura espontânea, porém a sintomatologia pode perdurar por alguns dias a até vários meses. Os casos humanos foram registrados em vários países asiáticos (Japão, Malásia, Filipinas, China etc.) e africanos (Congo, Zaire etc.), e, além do caramujo gigante, outras espécies de caracóis e lesmas também participam na transmissão da doença. Outra forma da angiostrongilíase é a abdominal, decorrente da infecção humana pelo verme Angiostrongylus costaricensis. A forma abdominal apresenta sintomas semelhantes aos da apendicite aguda e, quando acompanhada de obstrução intestinal, aos dos tumores do trato digestivo, podendo motivar tratamento cirúrgico.

LEMBRETE. O criador de escargots, como de qualquer outro animal, deverá ponderar os limites de sua atividade como produtor e como comercializador de seus produtos.

Legislação Específica

Torna-se necessário tomar algumas providências, para a abertura do empreendimento, tais como:
- Registro na Junta Comercial;
- Registro na Secretária da Receita Federal;
- Registro na Secretária da Fazenda;
- Registro na Prefeitura do Município;
- Registro no INSS;(Somente quando não tem o CNPJ – Pessoa autônoma – Receita Federal)
- Registro no Sindicato Patronal;

O novo empresário deve procurar a prefeitura da cidade onde pretende montar seu empreendimento para obter informações quanto às instalações físicas da empresa (com relação a localização),e também o Alvará de Funcionamento.
Além disso, deve consultar o PROCON para adequar seus produtos às especificações do Código de Defesa do Consumidor (LEI Nº 8.078 DE 11.09.1990).
OBS. Caso o empreendedor queira constituir-se com pessoa jurídica.

Algumas legislações que futuro empreendedor deve ter conhecimento:
- LEI nº 7.967/89 - Dispõe sobre o valor das multas por infração à legislação sanitária, altera a Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, e dá outras providências.

Registro Especial

- Registro no S.I.F. (Serviço de Inspeção Federal). Exigência feita para que o criador possa colocar seu produto no mercado. Sua concessão esta vinculada à manutenção de instalações idênticas às utilizadas para beneficiamento de pescado.
- Registro como produtor rural. Exigência feita para comercializar o escargot vivo.
Na comercialização do produto processado (carne ou pratos prontos), o empresário deverá informar-se a respeito dos registros necessários para sua legalização, já citados acima (Legislação Específica).

Eventos

Cursos:
A APACE (Associação Paulista de Criadores de Escargots), oferece cursos para novos criadores, que são realizados todas as terças-feiras das 12:00 as 18:00 horas e aos sábados, em datas e horários a serem agendados previamente.
É necessário reservar vaga com antecedência nos telefones: (11) 3871 7525 e 3871 7516.

Entidades
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Esplanada dos Ministérios - Bloco D - Brasília – (DF)
70043-000
Tel. (61) 218 2000 - Central de Atendimento ao Usuário - 0800 611995

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária
SEPN 515 - Bloco B - Edifício Ômega - Brasília - (DF)
70.770-502
Tel. (61) 448 1000 - Atendimento ao Usuário – 448 1321 / 448 1327 / 448 1303

IBH - Instituto Brasileiro de Helicicultura
CAIXA POSTAL 160 - Atibaia – (SP)
12.940-970
Tel. (11) 4413 4100

ITAL - Instituto de Tecnologia de Alimentos
Av. Brasil, 2880 – Jd. Brasil - Campinas – (SP)
13073-001
Tel. (19) 3743 1700

Fornecedores
Equipamentos
Nitrobrás Ind. e Comércio de Fertilizantes
Rua Conselheiro Olegário, 176 - São Paulo - (SP)
05093-040
Tel. (11) 3834 1233

Matrizes
J.H.S. – Jardim Heliário Saltense
Rua Argélia, 500 - Jardim das Nações – Salto – (SP)
Tel. (11) 4029 2550

APACE (Associação Paulista de Criadores de Escargots) - Heliário Modelo
Av. Francisco Matarazzo, 455 - Parque Fernando Costa (Água Branca) - Pavilhão 08 - Perdizes - São Paulo – (SP)
Tel. (11) 3871 7525 / 7516

i

Endereços na Internet:

Site informativo, com tudo sobre escargots
http://www.escargots.com.br/index1.html

Site do IBH
http://www.ibh.com.br/ibh/ibh.htm

Site do Ministério da Agricultura
http://www.agricultura.gov.br

Site informativo
http://www.agrovideo.com.br

Site da APACE - Associação Paulista de Criadores de Escargot
http://membro.intermega.com.br/helicicultura/apacescargot.html

Site da EMBRAPA
http://www.embrapa.gov.br

Site da ANVISA
http://www.anvisa.gov.br

BIBLIOGRAFIA
- Pesquisas Tips - Sebrae - Pequenas Empresas, Grandes Negócios - IPT - Tudo (Folha de S.Paulo) - Negócios (O Estado de S. Paulo) - Empreendedor - Exame SP - Exame - Tudo - Estado de Minas - Marketeer - Google - Wikipédia - Ministério do Trabalho e Desenvolvimento
Esse arquivo foi gentilmente enviado por usuários do Emprega Brasil. Caso tenha arquivos que contribuam com a empregabilidade ou rentabilidade, nos envie através do e-mail: arquivos@empregabrasil.org.br

Emprega Brasil | © 2013 Todos direitos reservados. Brasil